2014 Gambiólogos 2.0 – BH

Programa Mixture – TV UniBH

A divertida matéria do pessoal da TV Uni-BH ficou acima da média. Confira!

https://www.youtube.com/watch?v=WSFyZ8ohUE0


0 Comments1 Minute

Flyer design MM’s gambiológicos

Uma versão mais "cult" (e copyright-free) do flyer para nossa segunda oficina na Gambiólogos.

flyer2-oficina-gambiologos


0 Comments1 Minute

Gambiólogos 2.0 – abertura

Confira algumas imagens da noite de estreia da exposição:

20140609NS0772

Fotos: Nidin Sanches


0 Comments1 Minute

Making Of – Gambiólogos 2.0

Algumas várias imagens do fim de semana de montagem da coletiva, por Nidin Sanches.


0 Comments1 Minute

Gambiólogos 2.0 inaugurada!

GAMB2_Poster_28x40_04_low

Confira o texto de apresentação da mostra:

A primeira edição desta mostra, em 2010, foi o passo inicial em direção à uma coletivização da ideia de Gambiologia. Até então, esse neologismo somente batizava o projeto formulado por mim, Ganso e Lucas Mafra, dois anos antes. A proposta curatorial da exposição podia ser compreendida explicitamente a partir do seu slogan: “a gambiarra nos tempos do digital”. Foram selecionadas obras que incorporassem intencionalmente a gambiarra como recurso estético e (in)formal, em diálogo com as tecnologias – analógicas, eletrônicas ou digitais.

Após o advento da Facta, revista de Gambiologia – atualmente em sua terceira edição –, as discussões e provocações sobre a “gambiarra tecno-criativa” ganharam ao mesmo tempo sofisticação e sutileza. A publicação possibilitou um amadurecimento conceitual e a reunião de ainda mais gambiólogos, que de uma forma ou de outra reconheceram-se espontaneamente como parte de um movimento. Hoje, já somos centenas.

A escolha das obras para a Gambiólogos 2.0 parte dessa disseminação e guia-se por três eixos: a precariedade na artemídia e a incorporação da baixa tecnologia nos trabalhos como opção formal; a ideia de “colecionismo” por meio da acumulação, ou como os artistas têm usado o excesso de resíduos no mundo de hoje como recurso expressivo (para além do senso comum sobre reciclagem); e a aceitação (ou não) da influência da cultura popular e do artesanato no meio das artes plásticas. As obras expostas, no entanto, propõem aproximações e distanciamentos entre esses eixos, de forma quase caótica.

Em tempos em que o ativismo cresce e se horizontaliza na mesma proporção que suas contradições, em que a ilusão de prosperidade é questionada e o incômodo sobre a situação do homem no planeta é cada vez mais latente, temos aqui belos exemplares de como o uso da tecnologia e dos resíduos pode ser não somente uma forma de expressão criativa, mas também política. E mais, a enorme diversidade de abordagens sobre o improviso e a técnica, notória nessa seleção de obras criadas por aproximadamente trinta artistas de origens e faixas etárias diversas, nos faz crer que a gambiarra é, sim, uma ciência.

Seja bem vindo a esta grande feira de ciência gambiológica.

Fred Paulino, curador


0 Comments3 Minutes